quarta-feira, 20 de junho de 2018

Em Prova: Quinta de Pancas Reserva Arinto 2015


A Quinta de Pancas está localizada a 45 km a noroeste da cidade de Lisboa, no chamado “Alto Concelho de Alenquer” junto ao lugar de Pancas. Das várias referências provadas recentemente, destaco o Quinta de Pancas Reserva Arinto 2015. A casta - o arinto é super adaptável e difundida por todo o país, produzindo ótimos resultados. Aqui não foge à regra,com pasagem por barrica, o aroma é fresco e mineral com alguma percepção ainda do contacto com a madeira (sem chatear) a que se juntam notas citrinas e minerais. A boca é macia, com boa acidez e alguma untuosidade. Termina prazeroso. Um Arinto bem conseguido e que irá crescer em garrafa. Apenas cerca de 3000 garrafas produzidas. PVP: 13€. Disponibilidade: Garrafeiras.

Sérgio Lopes

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Em prova: Quinta de Santiago Rosé 2017


Escrevo este texto depois de um dia com um calor abrasador e onde ainda estão cerca de 25º, às 23 horas... Queriamos Verão, mas não tão forte... E Verão é sinónimo também de Rosé, pois é a época máxima do seu consumo. Falo hoje de um Rosé da Quinta de Santiago que provei ontem e que gostei muito. Feito de Touriga Nacional, Tinta Roriz e um pouco de Alvarinho. É pois um rosé da região dos vinhos verdes, mais propiramente da sub-região de Monção e Melgaço, que aparece na colheita de 2017, com cor salmão, e muito delicado no aroma, com bonitas notas de fruta silvestre fresca. A boca confirma essa frescura e elegância de conjunto. Tem um bom corpo, é seco, equilibrado e cheio de sabor. Muito apelativo.. Talvez o alvarinho seja um pouco a chave para o equilibrio e uma maior intensidade de sabor. Ligou na perfeição com a pizza de trufas do restaurante Ciao Bella, que também é uma delicia. PVP: 9,50€. Disponibilidade: Garrafeiras.

Sérgio Lopes

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Radar do Vinho: Duas Árvores

O projecto Duas Árvores foi constituído no final de 2012 por dois grandes amigos Brasileiros, José Castanheira e Luiz Oliveira. A conjugação dos seus nomes origina o nome da empresa. Em Portugal, encontraram no Douro e na Quinta da Marcela ligação perfeita para voltar a reatar com as suas origens. Situada no Vale Mendiz, perto do Pinhão, os 16 hectares da Quinta com vinhas que vão desde os 100 aos 500 metros de altitude, de vinha velha e também de vinhas novas, com castas plantadas separadamente e que vão definir o perfil dos vinhos, com o carisma e expressão própria do Terroir único da região.


O Duas Árvores Tinto 2014, tem como base as castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e uma parte de vinhas velhas. Fermentou em cuba de Inox e estagiou em barricas de carvalho francês. Trata-se de um vinho fresco, elegante mas estruturado. Sente-se o calor do terroir, mas o equilibrio entre a estrutura e acidez, torna-o um vinho muito bem conseguido. No nariz aparece fruta preta, alguma especiaria. Boca com madeira bem integrada e final longo, de pendor gastronómico. Naturalmente. PVP: 11€.


O Duas Árvores Reserva 2014 é um vinho produzido de Touriga Nacional, Touriga Franca, Roriz,  mas também Tinta Barroca, Mourisco e das Vinhas Velhas, claro. O estágio é maior, cerca de 16 meses em barricas de carvalho francês de 1º e 2º ano. É um vinho mais estruturado e potente, mas com os taninos já civilizados. De novo presença de muita fruta preta, mas uma maior profundidade aromática e complexidade. Boca com grande volume e final longo. Ainda mais gastronómico que o colheita. Para a mesa, claramente acompahando por exemplo um assado potente. Depois de decantado. PVP: 20€.

Sendo um projecto de produção reduzida, e com o objectivo de estar presente em restaurantes de alta gastronomia e garrafeiras especializadas, a Duas Árvores conta com uma distribuição personalizada e exclusiva, realizada pelo próprio enólogo assistente, Afonso Magalhães. A enologia principal está a cargo de Diogo Frey Ramos.

Há tembém um Rosé na forja, o Botas, que em breve será provado.

Sérgio Lopes

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Em Prova: Quinta de Santiago Reserva Alvarinho 2016

A Quinta de Santiago é um projeto inserido no grupo Vinho Verde Young Projects, do qual fazem parte também os produtores Sem Igual, Vale dos Ares e Casas Novas. Juntos, mostram o potencial da região dos vinhos verdes, produzindo brancos de eleição. Os vinhos produzidos são quase sempre o reflexo dos seus produtores e a Quinta de Santiago não foge à regra. Com Joana Santiago ao leme do projecto, resultam vinhos bonitos, perfumados e até algo sedutores. Imediatamente apelativos. A base é o Alvarinho, até porque o projecto pertence à sub-região de Monção e Melgaço.

O Quinta de Santiago Alvarinho é desenhado para ser, um pouco tropical, exuberante, bonito, apelativo. Mais comercial, se quisermos, mas muito bem feito. Já o Quinta de Santiago  Reserva Alvarinho 2016, provado recentemente em dois momentos distintos, é talvez o meu vinho preferido. Feito 100% de Alvarinho,claro está, mas com fermentação parcial em barrica e batonnage prolongada. É um vinho muito complexo, mas também fino, com aromas citrinos e florais, madeira bem integrada a conferir uma untuosidade e volume de boca muito interessantes, sem perder a elegância. Muito fresco na boca, com uma belissima acidez, termina longo e persistente. Um vinho da casta alvarinho muitíssimo bem posicionado, quase como um alvarinho turbinado, ou seja, para quem procura um pouco mais de complexidade e estrutura mas não quer pagar preços exorbitantes. Bonito sim, mas mais sério. Uma delicia. PVP:14,95€. Disponibilidade: Garrafeiras.

Sérgio Lopes

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Em Prova: Zom Grande Reserva Touriga Nacional 2011

Vinho produzido 100% Touriga Nacional e o vencedor na categoria melhor tinto no concurso do Festival de Vinhos do Douro Superior. 80% das uvas vêem de vinhas no Vale da Vilariça com 17 anos de idade (de uma quinta que na altura não era da Barão de Vilar mas foi adquirida em 2016). O resto da Touriga Nacional é provenientes de uma vinha com 4 anos na altura, da Quinta de Zom, em Freixo de Espada à Cinta, a 400 metros de altitude. O lote final foi vinificado na adega em Santa Comba da Vilariça onde as uvas são arrefecidas a 12ºC em câmara frigorífica. Faz 12 a 24 horas de maceração pelicular a frio em lagar roborizado antes de ser bombeado para cubas de fermentação. O estágio (18 meses) é feito em barricas de carvalho francês sendo que, a maioria, novas. 15% do lote não passa por barrica para manter a frescura aromática. No final, o lote estagia em cuba 1 ano. Foi engarrafado em 2014.

O resuultado? Um vinho muito equilibrado, cheio de fruta mas sem ser em demasia, muito fresco,  complexo, floral, especiaira, gastronómico e apelativo, por apresentar esse foco na fruta fresca. Comtaninos redondos e boca cheia, termina longo. Está num óptimo momento de consumo. Belíssimo exemplar de como um tinto do Douro Superior, deve ser - sem excessos de madeira ou de qualquer outro tipo... PVP: 19,90€. Disponibilidade: 2Drink (Porto) ou Garrafeiras.

Sérgio Lopes

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Em Prova: Casa do Canto Colheita Selecionada Branco 2016


Branco bairradino, com enologia de Osvaldo Amado e que eu trouxe da Loja da Rota da Bairrada. Feito de Maria Gomes, Bical e Sauvignon Blanc. Confesso que temi que sobretudo com a presença do sauviugnon blanc o perfil fosse tropical e até fugisse um pouco ao meu estilo de vinhos que cosumo, normalmente mais secos. Mas não, felizmente é um vinho focado nos citrinos e alguma fruta branca, todo ele frutado, leve, mas com alguma estrutura,  fresco e muito equilibrado. Uma excelente opção para o dia-a-dia, para beber como aperitivo ou até a acompanhar pratos leves. Bela surpresa. PVP: 3,50€. Loja da Rota da Bairrada.

Sérgio Lopes

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Em Prova: Quinta do Arcossó Reserva Tinto 2011


A acompanhar uma costela de boi assada lentamente "no bafo", ou seja por mais de 6 horas, como só o Sr. Carvalho do Restaurante Brasão, em Felgueiras, sabe proporcionar, foi o Quinta de Arcossó Reserva 2011 a minha escolha, para harmonizar. Podia ter sido outra, pois felizmente a garrafeira do restaurante é bem varidada e apetrechada, mas este tinto já com 7 anos de garrafa pareceu-me uma boa opção. E veio a confirmar-se. Tinto sério, mas sem ser demasiado sério,com fruta madura mas sem ser "jammy", especiarias, muita frecsura (apesar dos 14º), corpo estruturado, taninos já mais macios, com final longo, seco e persistente. Companhia perfeita para o assado, com a aspereza do terroir de Trá-os-montes a permitir salivar e tornar a refeição deliciosa. Recomendo! PVP: 11,90€. Disponibilidade: Garrafeiras.

Sérgio Lopes