quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Da Minha Cave: Quinta da Fata Encruzado 2010

A Quinta da Fata tem vindo a afinar o perfil dos seus brancos, produzidos 100% da casta encruzado, tornando-os mais apelativos, mas sem perder o lado longevo tão característico dos mesmos. 

Da minha cave, descobri uma garrafa do Quinta da Fata Encruzado do ano de 2010 que abri agora e acompanhou muito bem um Arrozinho de Pato. 

Lembro-me que quando provei este vinho, pela primeira vez, era um branco austero e mineral, duro mesmo. Algo rústico até. 

Neste momento está com notas florais de evolução bem evidentes, portanto menos austero, mas profundamente mineral e com uma belíssima acidez refrescante, a limpar o palato e a pedir companhia à mesa. 

Para mim encontra-se no momento ideal de prova, apresentando uma evolução notória, mas sem perder a frescura. Foi melhorando de copo para copo entre o almoço e o jantar. Penso que ainda ficaram na garrafeira mais duas garrafas deste 2010 para beber em breve. PVP: 7,5€.

Sérgio Lopes

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Mercado de Vinhos do Campo Pequeno de volta

Mercado de Vinhos do Campo Pequeno está de volta e com mais novidades. De 20 a 22 de Outubro, a mítica praça lisboeta vai receber mais de 120 produtores de vinhos, de qualidade, de várias regiões do país. 

Durante três dias, os visitantes poderão provar e comprar uma vasta selecção dos melhores vinhos portugueses, além de terem a possibilidade de participar em provas, workshops e iniciativas, levadas a cabo por alguns dos mais conceituados produtores, enólogos e escanções do país.

E para aqueles que não dispensam um petisco para acompanhar o vinho, o Campo Pequeno vai reunir 20 reconhecidos produtores de iguarias típicas portuguesas, como queijos, enchidos, presuntos, pão e azeites, entre outros produtos de excelência que resultam da utilização das mais ancestrais técnicas de fabrico e que revivem o gosto dos nossos avós trazendo os paladares antigos ao consumidor actual. A entrada tem o valor de 6€ e inclui copo para prova.

Dias / Horários
20 de Outubro: das 15h00 às 22h00

21 de Outubro: das 12h00 às 22h00

22 de Outubro: das 12h00 às 20h00

Para mais informações: mercadodevinhos@campopequeno.com

www.facebook.com/MercadodeVinhos

Sérgio Lopes

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

4º Aniversário da Garage Wines

Foi na passada 6ª Feira 13 (de Outubro) que a Garage Wines festejou o seu 4ª aniversário. Uma sexta-feira com algum frio, mas que rapidamente aqueceu fruto das dezenas de pessoas que fizeram questão em estar presentes e felicitar a grande mentora deste projecto, Ivone Ribeiro, por mais um ano à frente de um espaço com uma enorme dinâmica e que pretende ser uma montra de vinhos de "garagem", isto é, diferentes e fora do circuito comercial. 

A festa iniciou-se pelas 19h30 e prolongou-se até às 24h, ao som de DJ, muita animação e claro está um desfile de belíssimos vinhos em prova! Aqui ficam algumas fotos:

  


Parabéns e as maiores felicidades!

Sérgio Lopes

sábado, 14 de outubro de 2017

Em prova: Estela do Val Godello 2015

Este vinho dos meus vizinhos de Monterrei, região Galega a norte de Chaves, situada nas imediações de Verin -Ourense, é produzido 100% da casta Godello.

Apresenta uma cor amarelo com laivos esverdeados. Nariz muito fresco, vegetal, a lembrar folha de cítrinos.

Na boca é muito expressivo! Com frescura cítrea intensa... deixando remanescente agradável sensação picante no palato e língua que prevalece alguns minutos!

Companhia ideal para petiscos, queijos e enchidos! Curiosamente é gordo e envolvente na boca, mas tem apenas 12.5° de álcool!

Um excelente vinho! Pode encontrar-se a preço entre 5.5€ e 8€! Pelo prazer que proporcionou... e pelo vinho que é, vale bem 7 a 8€.

Jorge Neves (Wine Lover)

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Fora do Baralho: Pequenos Rebentos 'à moda antiga' 2016


Elaborado a partir de uvas de 40% Alvarinho, 30% Avesso e 30% Arinto, provenientes de Amarante, o vinho sofre uns dias de curtimenta e 9 meses em barricas usadas com as borras totais - 3 meses de fermentação, 6 meses de estágio.

Aspectos técnicos à parte falemos deste vinho totalmente fora do baralho. 

A cor é de um laranja muito ténue, fruto da ligeira curtimenta, a que foi sujeito. Vinho algo rústico ('à moda antiga'), com aroma fortemente mineral e ligeiro toque citrino. A boca apresenta enorme frescura, corpo e uma acidez descomunal o que indicia uma grande longevidade. Apresenta-se poderoso, com final longo e refrescante, a pedir comidas que lhe possam dar luta à mesa.

Na minha opinião, o Pequenos Rebentos 'à moda antiga' 2016 é um dos melhores e mais diferenciadores vinhos produzidos pelo enólogo / produtor Márcio Lopes. Um branco a cheirar um pouco a antigamente que foge claramente do lado frutado e apelativo e aposta na acidez e mineralidade, com o objectivo de fazer um branco de guarda. São apenas 1265 garrafas de um branco para acompanhar.

Sérgio Lopes

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Vinhos do Alentejo, no CCB

Decorre mais uma edição do evento “Vinhos do Alentejo em Lisboa” no CCB - Centro Cultural de Belém, nos próximos dias 13 e 14 de Outubro.

A iniciativa da CVR Alentejana visa divulgar e promover os vinhos da região do Alentejo, não só junto dos consumidores habituais, mas também de forma a cativar potenciais novos consumidores num espaço privilegiado e de grande prestígio. Para além das provas de vinhos, o evento terá um programa paralelo de acções relacionadas com vinho e gastronomia alentejana e muito entretenimento.

Serão mais de 80 produtores em prova, pelo que será um evento imperdível! 

Aqui fica o programa do evento:



A entrada é livre (mediante compra do copo para prova no valor de 3€), bem como a participação nas provas comentadas, apenas sujeita a inscrição prévia online, devido ao número limitado de lugares.

Sérgio Lopes

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Em prova: Royal Palmeira Loureiro 2012


Produzido pelo gigante Ideal Drinks, o Royal Palmeira é um vinho branco, da casta Loureiro, proveniente da sub-região do Cávado, perto de Braga. Aliás, a proximidade do rio Cávado, proporciona maturações mais frescas e as uvas de onde provém apresentam já alguma idade. 

Com uma garrafa muito bonita e sofisticada, que faz jus a senhoridade da Casa da Palmeira de onde é proveniente, o Royal Palmeira apresenta um perfil marcadamente elegante e fino, sóbrio e contido, mais focado na fruta (pura) do que nas típicas notas florais da casta. Um branco com requinte, muito bem conseguido e que ocupa os seu espaço entre os Loureiro do Minho. Apenas lhe aponto um pouco de sensação de doçura a mais para o meu gosto pessoal, mas nada que o torne indiferente. PVP: 12€. Disponibilidade: Garrafeiras Seleccionadas.

Sérgio Lopes