terça-feira, 31 de março de 2020

Em Prova: Quinta D. Dores Reserva Branco 2018

Proveniente da freguesia de Figueiras, concelho de Lousada, o projeto do vinho "DESLUMBRE" nasceu à 8 anos numa "brincadeira" no sentido da criação de um vinho para consumo próprio, mas cedo Jorge Pinto se apaixonou pelo mesmo e decidiu criar e lançar a marca Deslumbre, apenas 2 anos depois, em 2014, com o objetivo de o comecializar. Para além do vinho que dá nome ao projecto, composto por Alvarinho, Loureiro e Arinto, o produtor aposta agora em dois vinhos produzidos 100% da casta Alvarinho, um sem madeira o Deslumbre Alvarinho 2019, provado AQUI, e outro com passagem por barrica o Quinta D. Dores Reserva 2018.  Com 9 meses de estágio em barricas de carvalho francês, é um vinho com um aroma bastante complexo, com fruta tropical, maçã verde, notas de chá e a barrica de excelente qualidade um pouco presente (como é natural). na boca é super fresco, com excelente acidez, untuoso, tenso, cremoso e com um final de boca longo. Que belo branco. Apenas cerca de 1000 garrafas produzidas e 80 Magnum.! PVP: 16€. Comprar Aqui.

Sérgio Costa Lopes

sábado, 28 de março de 2020

Em Prova: Quinta Serra D'Oura Reserva Branco 2017

Head Rock é um projecto de Trás-os-Montes, mais propriamente, localizado em Vidago, e cujo primeiro vinho nasce apenas em 2011. Liderado pelo jovem e simpático casal Carlos Bastos e Rita Ferreira, para além da marca "umbrella" Head Rock, com vinhos sem passagem por madeira, a marca Quinta Serra D'Oura é sempre um field blend, com passagem por madeira. O Quinta Serra D'Oura Branco Reserva 2017 é repleto de de frescura, com pouco álcool - 12,5º, mostrando-se muito versátil à mesa. PVP: 15€.

Para ver o vídeo completo sobre a prova deste vinho abaixo:


Sérgio Costa Lopes

sexta-feira, 27 de março de 2020

Em Prova: Gradual Tinto 2015

Um dos vinhos que mais gozo me dá a beber é o duriense Gradual, proveniente da Quinta da Costa do Pinhão. Na sua segunda edição, o Gradual 2015 mantém a composição de Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca de vinhas com cerca de 45 anos. Já não o provava há algum tempo, parecendo-me nesta fase com um pouco mais de estrutura do que o 2014 e também um pouco mais longo, talvez reflexo do ano? De resto, mantém a característica de elegância e easy drinking que tanto gozo me dá. Com meio corpo, taninos redondos, mas firmes, um vinho elegante, com boa cidez,  amplitude e profundidade, apesar da sua aparente facilidade de prova. O decanter até parecia estar furado... PVP 12.90€. Garrafeiras.

Aqui fica a apreciação do vinho em video:



Sérgio Lopes

quarta-feira, 25 de março de 2020

Em Prova: Herdade do Rocim Reserva 2017

Se os vinhos Herdade do Rocim Alicante Bouschet 2017 e Herdade do Rocim Touriga Nacional 2017 mostram o que as castas individualmente aportam no terroir da Vidigueira, traduzindo-se em dois belíssimos vinhos, eu diria que o Herdade do Rocim Reserva 2017 representa realmente um reserva * de qualidade superior. Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Aragonez compõe o lote que estagia em barricas novas de carvalho francês por 14 meses. Resulta num vinho com fruta preta e especiarias. A boca apresenta taninos sedosos, conjugando frescura, potencia e elegância, num conjunto de grande equilíbrio, que brilhará à mesa e terá um belo futuro de evolução nobre em garrafa. PVP: 14€. Comprar AQUI

*tantas vezes a palavra reserva é utilizada no Alentejo de uma forma pouco nobre em vinhos de baixa qualidade, o que não é nada o caso deste Herdade Do Rocim Reserva 2017

Sérgio Lopes

terça-feira, 24 de março de 2020

Em Prova: Deslumbre Alvarinho 2019

Proveniente da freguesia de Figueiras, concelho de Lousada, o projeto do vinho "DESLUMBRE" nasceu à 8 anos numa "brincadeira" no sentido da criação de um vinho para consumo próprio, mas cedo Jorge Pinto se apaixonou pelo mesmo e decidiu criar e lançar a marca Deslumbre, apenas 2 anos depois, em 2014, com o objetivo de o comecializar. Para além do vinho que dá nome ao projecto, composto por Alvarinho, Loureiro e Arinto, o produtor aposta agora em dois vinhos produzidos 100% da casta Alvarinho, um sem madeira o Deslumbre Alvarinho 2019 e outro com passagem por barrica o Quinta D. Dores, de que falaremos mais tarde. O Deslumbre Alvarinho 2019 faz jus por um lado à casta, traduzindo-se num vinho aromático - exuberante até e refrescante, por outro lado, ao enólogo António Sousa, tornando-o bastante comercial com a adição de um pouquinho de gás - muito ligeiro. Um registo mais próximo do vinho verde tradicional, do que por exemplo de alguns exemplares mais sérios da casta, sobretudo na sub-região de Monção e Melgaço, apesar do bom equilíbrio do conjunto. PVP: 8,5€. Comprar Aqui. 

Sérgio Lopes

segunda-feira, 23 de março de 2020

Em Prova: Herdade do Rocim Sommelier Edition Arnaud Vallet 2015

O enólogo Pedro Ribeiro, da Herdade do Rocim, e o sommelier Arnaud Vallet. do Vila Joya, juntaram-se para criar um vinho onde pontuam as castas Alicante Bouschet, Tannat e Syrah, com estágio em madeira por 24 meses. O resultado, um belíssimo vinho Alentejano, cheio de garra. Com castas poderosas como o Alicante Bouschet e a Tannat, temos um vinho complexo e denso, onde fruta madura, pimentas e um lado vegetal, aliados a taninos verdes firmes, conferem enorme frescura ao vinho. Em suma, sente-se o calor do terroir Alentejano, mas o vinho nunca se torna chato. Pelo contrário, é seco, carnudo, elegante e com um óptimo volume de boca. Muito bem. Excelente à mesa. PVP: 20€. Comprar AQUI.

Sérgio Lopes

domingo, 22 de março de 2020

Em Prova: Casa de Paços Loureiro & Arinto 2019

Proveniente de Barcelos, trata-se de um vinho verde feito de Loureiro e Arinto, que conjuga fruta, o lado floral do Loureiro e a acidez do Arinto, num registo de grande tensão. A edição de 2018 aparece com uma nova imagem, mais "clean" e moderna, com as castas utilizadas, visíveis em primeiro plano. Quanto ao vinho, trata-se de um branco com textura, seco e muito refrescante, a bom preço, que pede algo para acompanhar à mesa. Parece-me mais pronto a beber do que em edições anteriores, dando já uma prova muito agradável. Mas pelo histórico da "coisa" ainda tem muito para crescer nobremente em garrafa. Disponível para todos, a preço cordato, em tempos difíceis onde um copo de um vinho branco de qualidade, certamente amenizará o ambiente. PVP: 4,5€. El Corte Ingles.

Sérgio Lopes